Assista a cobra jibóia mais esquiva do mundo fora de uma floresta brasileira

Assista a cobra jibóia mais esquiva do mundo fora de uma floresta brasileira

Por Herton Escobar 13, 2017, 13:00

Uma das cobras mais evasivas do mundo ressurgiu após uma caçada de 64 anos por cientistas no Brasil. 1953 foi a última vez que um pesquisador viu uma jibóia de Cropan ( Corallus cropanii ) viva. Desde então, a cobra - considerada a mais rara do mundo - foi registrada pelos cientistas apenas cinco vezes. Mas a jibóia, que vive na Mata Atlântica do sul de São Paulo, estava sempre morta, geralmente morta por moradores que não se arriscam com cobras. Agora, os pesquisadores estão tendo uma segunda chance de estudar a espécie, graças a uma fêmea de 1, 7 metros de comprimento capturada por um grupo de trabalhadores rurais em janeiro. A cobra - que não é venenosa - tem uma barriga amarelada, costas cobertas de padrões de diamantes negros e profundas cavidades sensoriais que revestem a borda dos lábios. Ele pesa 1, 5 kg e provavelmente ataca pequenos mamíferos e aves. A jibóia capturada recentemente tem sorte: um de seus captores estava prestes a cortá-la até a morte, quando os outros dois recordaram "sinais de procurado" que haviam sido postados por pesquisadores do Museu de Zoologia da Universidade de São Paulo e do Instituto Butantan, que lançou um programa de educação ambiental na comunidade sobre as cobras. Agora que os herpetologistas têm sua jibóia, que nunca foi observada na natureza, eles planejam lançá-la na floresta com um transmissor de rádio. Pensa-se que a espécie vive principalmente na terra, mas na verdade pode viver no dossel, acima do solo da floresta. Os cientistas o colocam em várias árvores diferentes, e ele subiu ao topo com grande destreza - o que pode ajudar a explicar por que é tão raramente visto.